Apresentação

  • O Parque Nacional da Peneda-Gerês, com cerca de 70.000 hectares, estende-se do planalto da Mourela ao de Castro Laboreiro incluindo as serras da Peneda, Soajo, Amarela e Gerês. Trata-se duma região montanhosa, essencialmente granítica em cujas zonas de elevada altitude são visíveis os efeitos da última glaciação. Vales profundos e encaixados suportam densa rede hidrográfica. Notável diversidade botânica - bosques, matos, vegetação ripícola e turfeiras para além de matos húmidos - destacando-se a presença de várias espécies raras e endémicas. O PNPG alberga alguns dos mais importantes carvalhais de Portugal. Interessantes habitats seminaturais. Diversidade de espécies faunísticas com estatutos diferenciados: endémicas (salamandra-lusitânica), ameaçadas (lobo-ibérico), espécies de distribuição limitada (cartaxo-nortenho)... No mosaico agrícola destacam-se os prados de lima e lameiros. Rico património histórico-cultural (necrópoles megalíticas, vestígios da romanização, castelos, espigueiros, fornos, moinhos, levadas, socalcos…) a que acresce a curiosa implantação das aldeias serranas e a presença de núcleos de arquitetura tradicional bem preservados.

  • Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. (ICNF, I.P.)

  • Montanha

  • Norte

  • Arcos de Valdevez

    Melgaço

    Montalegre

    Ponte da Barca

    Terras de Bouro

  • A entrada no PNPG pode ser feita:

    - via Lamas de Mouro, vindo de Melgaço, pela EN 202; via Mezio, vindo de Arcos de Valdevez, pela EN 202; via Entre Ambos-os-Rios, vindo de Ponte da Barca, pela EN 203; via Covide, vindo de Terras de Bouro, pela EN 307; via Rio Caldo, vindo de Braga ou Amares pela ER205-5 ou vindo de Braga ou Vieira do Minho pela EN 304; via Fafião, vindo de Salamonde, pela EN 103; via Paradela, vindo de Venda Nova, pela EN 308-4; via Sezelhe, vindo de Montalegre, pela EN 308

    Outras entradas: Ameijoeira, Lindoso, Portela do Homem ou por Tourém (vindo de Espanha).

  • Sim

  • Monitorização da população de cabra-montesa do PNPG e PNBLSX através da recolha de dados para cálculo de parâmetros populacionais e de distribuição da espécie (em colaboração com a Universidade de Aveiro); Monitorização da população de lobo-ibérico através dos dados dos prejuízos em animais domésticos; Conservação e fomento das populações autóctones de pinheiro-silvestre através do estudo e da recolha de semente para germinação e posterior plantação reforçando os núcleos existentes (em colaboração com a UTAD); Conservação e proteção da floresta autóctone de teixo através da proteção dos núcleos relativamente aos incêndios, do fomento da regeneração natural e da recolha de semente para germinação e posterior plantação; Proteção e promoção da floresta autóctone através de ações de limpeza de matos; Recuperação de fauna selvagem: Recolha e tratamento de animais feridos, doentes ou debilitados no Centro de Recuperação de Fauna Selvagem do Gerês, visando a sua posterior devolução à natureza; Prospeção do nemátodo: ações dirigidas ao controlo e erradicação do nemátode-da-madeira-do-pinheiro (Bursaphelenchus xylophilus) e do seu vetor, o inseto Monochamus galloprovincialis.

  • Para informação mais detalhada recorrer ao Centro de Educação Ambiental do Vidoeiro ou aos postos de informação nas Portas do PNPG. Para observar a fauna saia de manhã cedo ou um pouco antes do entardecer. Se tiver, leve binóculos e máquina fotográfica. Tenha sempre em atenção as previsões meteorológicas e evite realizar atividades em dias em que se preveja a ocorrência de chuva, trovoadas e nevoeiros. Evite ir sozinho(a) para a montanha, mas, se o fizer, informe alguém conhecido ou alguma entidade local da sua partida e do seu regresso. Opte por vestuário e calçado simples e confortável. Previna-se com agasalhos, alimentos, água, protetor solar e/ou impermeável. Poderá munir-se também de telemóvel e lanterna (mas não faça lume).Tome precauções especiais quando caminha em zonas húmidas e rochosas, para evitar quedas e não pratique atos que coloquem em risco a sua segurança ou a dos outros. Tenha em atenção que em alguns locais existem minas, pelo que não deve sair dos trilhos e caminhos existentes. Caso ocorra algum acidente ou imprevisto contacte o serviço de emergência 112. Seja o mais claro e preciso que puder nas indicações sobre o local onde se encontra e sobre o que se está a passar. Caso não seja possível o contacto telefónico, mantenha a calma, coloque eventuais vítimas em segurança e protegidas do frio ou do sol e procure ajuda. Em caso de mordedura de víbora (o que só acontecerá se o espécime for diretamente molestado) deve manter-se calmo (a mordedura de víbora raramente é fatal) e evitar movimentações desnecessárias. Se a parte mordida for um membro, como é frequente, este deve ser imobilizado e deve ser limpa a parte mordida. Deverá contactar o Centro de Informação Antivenenos (808 250 143) e deslocar-se ao hospital mais próximo logo que possível.

  • O Parque possui sinalética informativa e direcional em toda a sua área.

  • Centros interpretativos, parques de merendas, miradouros, percursos pedestres sinalizados ou com orientação cartográfica ou por GPS.

  • Não

  • Sim

    Atividades e visitas escolares mediante marcação prévia.

  • PTCON0001 Peneda/ Gerês

    PTZPE0002 Serra do Gerês

  • Reserva da Biosfera Transfronteiriça ‘Gerês – Xurés’

    Área Importante para Aves (IBA ‘Serra do Gerês’)

    Rede Europeia de PAN Parks

    Mata Nacional do Gerês

    Reserva Biogenética das Matas de Albergaria e Palheiros (Reserva Biogenética PT93003 Palheiros/Albergaria)

  • <p>
	Visite a cidade de Braga e o seu centro hist&oacute;rico. Braga &eacute; conhecida pelo seu patrim&oacute;nio hist&oacute;rico e religioso, mas &agrave;s suas tradi&ccedil;&otilde;es aliam-se a viv&ecirc;ncia, a cultura e dinamismo de uma cidade jovem. Para al&eacute;m dos v&aacute;rios monumentos, igrejas barrocas e museus, a cidade tem tamb&eacute;m &aacute;reas v&aacute;rias &aacute;reas pedonais, com jardins e esplanadas, onde se pode passear tranquilamente. Sugere-se a visita ao Parque de S. Jo&atilde;o da Ponte, ao Mosteiro de S. Martinho de Tib&atilde;es e ao Bom Jesus.</p>

    Visite a cidade de Braga e o seu centro histórico. Braga é conhecida pelo seu património histórico e religioso, mas às suas tradições aliam-se a vivência, a cultura e dinamismo de uma cidade jovem. Para além dos vários monumentos, igrejas barrocas e museus, a cidade tem também áreas várias áreas pedonais, com jardins e esplanadas, onde se pode passear tranquilamente. Sugere-se a visita ao Parque de S. João da Ponte, ao Mosteiro de S. Martinho de Tibães e ao Bom Jesus.

  • <p>
	Visite a Ribeira Lima, seguindo o rio Lima, desde a sua entrada em Portugal perto do Lindoso, no concelho da Ponte da Barca, at&eacute; &agrave; foz em Viana do Castelo. N&atilde;o deixe de visitar Ponte da Barca e Ponte de Lima, vilas que se desenvolveram a partir de pequenos n&uacute;cleos medievais junto ao Lima e que mant&ecirc;m bem preservados os seus centros hist&oacute;ricos. Em Viana, suba ao Santu&aacute;rio de Santa Luzia e usufrua de uma panor&acirc;mica &uacute;nica: a cidade de Viana de Castelo, o mar e o vale do Lima.</p>

    Visite a Ribeira Lima, seguindo o rio Lima, desde a sua entrada em Portugal perto do Lindoso, no concelho da Ponte da Barca, até à foz em Viana do Castelo. Não deixe de visitar Ponte da Barca e Ponte de Lima, vilas que se desenvolveram a partir de pequenos núcleos medievais junto ao Lima e que mantêm bem preservados os seus centros históricos. Em Viana, suba ao Santuário de Santa Luzia e usufrua de uma panorâmica única: a cidade de Viana de Castelo, o mar e o vale do Lima.

  • <p>
	Visite as terras do Barroso, regi&atilde;o constitu&iacute;da pelos concelhos de Montalegre e Boticas, caraterizada por &aacute;reas montanhosas e vastos planaltos. Para al&eacute;m dos pequenos n&uacute;cleos rurais onde &eacute; ainda poss&iacute;vel vivenciar os ritmos e costumes de uma economia agro-pastoril, aconselha-se a visita ao Castelo de Montalegre. Destaque ainda para a gastronomia, principalmente o fumeiro e a vitela barros&atilde;.</p>

    Visite as terras do Barroso, região constituída pelos concelhos de Montalegre e Boticas, caraterizada por áreas montanhosas e vastos planaltos. Para além dos pequenos núcleos rurais onde é ainda possível vivenciar os ritmos e costumes de uma economia agro-pastoril, aconselha-se a visita ao Castelo de Montalegre. Destaque ainda para a gastronomia, principalmente o fumeiro e a vitela barrosã.

Condições Atmosféricas

Condições Atmosféricas em Parque Nacional da Peneda-Gerês :

O que pode fazer

1. Aprecie as turfeiras em flor. Descubra este habitat cuja conservação é prioritária.

2. O narciso-de-trombeta está a desabrochar. Aprecie esta espécie nos lameiros de Sezelhe (Montalegre).

3. Deslumbre-se com a floração dos matos quebrando a severidade das encostas serranas.

1. Passe uma noite num alojamento de turismo rural e experimente observar as estrelas.

2. Muna-se de um guia de aves e de binóculos e descubra a avifauna do Parque Nacional.

1. Não perca o espetáculo de cores outonais da Mata de Albergaria.

2. Faça a rota dos castelos: visite Melgaço; Castro Laboreiro; Lindoso; e Montalegre.

1. Descubra as pontes e cascatas do Parque Nacional, de Castro Laboreiro a Pitões das Júnias, passando pelo Gerês.

2. Nas aldeias ou na serra, não faltam motivos para registar em imagem. Venha fotografar o inverno na montanha.

Época aconselhada: Todo o ano

Contatos

(Sede) PNPG

Avenida António Macedo, s/n

4704-538 BRAGA

Telefone: (00351) 253 203 480

E-mail: pnpg@icnf.pt

MAPA

; ;