Apresentação

  • O Parque Natural do Vale do Guadiana (69.773 ha) situa-se no vale médio do rio Guadiana (a área protegida margina o rio desde a zona do Pulo do Lobo até à foz da ribeira de Vascão) assentando numa planície ondulada em que se escondem os vales encaixados do próprio rio e seus afluentes que, não raro, se reduzem a pegos na época estival.

    O ponto mais elevado do Parque Natural (370 m) situa-se nas elevações quartzíticas das serras de Alcaria e São Barão.

    O coberto vegetal é dominado por montados de azinho, com presença modesta do sobreiro, extensas áreas de esteval e de culturas de sequeiro.

    A rede fluvial alberga importante fauna ictiológica - 11 espécies de peixes de água doce entre os quais o saramugo e a boga-do-guadiana. No domínio da avifauna destacam-se as aves de presa e um importante cortejo de passeriformes (vulgo pássaros).

    A vila de Mértola, situada no alto de um esporão rochoso que assinala o termo de navegabilidade do Guadiana, domina a envolvente e guarda inúmeros testemunhos - árabes, romanos, medievos… - de épocas anteriores.

  • Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. (ICNF, I.P.)

  • Rios e pauis

  • Alentejo

  • Mértola

    Serpa

  • Acesso a partir de:

    - Beja - IP2 em direção a Mértola, e depois pela N122 até Mértola;

    - Castro Verde - N123 e, após Alcaria Ruiva, entrar na N122/IC27;

    - Vila Real de Santo António - siga para norte pela N122/ IC27 até Mértola; ou

    - Serpa -  N265 em direção a Mina de São Domingos e Mértola.

  • Sim

  • Parceiros do Projeto Life Iberlince, projeto que tem como objetivo permitir a reintrodução do lince-ibérico no Parque Natural do Vale do Guadiana;

    Acompanhamento dos linces-ibéricos soltos dentro do Parque Natural

    Censos e acompanhamento do estado das populações de coelho-bravo, bem como implementação de ações de melhoria do habitat (abrigo e alimentação) para esta espécie;

    Ações de reprodução de coelho-bravo e repovoamento para suporte das grandes águias -  águia-de-bonelli, águia-real e águia-imperial-ibérica - bem como restrição de acesso às suas principais áreas de nidificação;

    Melhoria do habitat do abutre-preto através da instalação de dois alimentadores (Projeto Life lince-abutre);

    Monitorização das comunidades piscícolas e implementação de ações de restauro do ecossistema ribeirinho, nomeadamente através do controlo das espécies piscícolas exóticas e da recuperação da vegetação ribeirinha nos pegos onde as espécies se refugiam (mais informação). Plano de Ação do Saramugo.

    Monitorização e melhoria de habitat para a abetarda, sisão e cortiçol-de-barriga-negra através de protocolos com as e os agricultores para o cultivo de parcelas com leguminosas.

  • Se quiser ver os francelhos, basta-lhe ir a Mértola, na Primavera, e observá-los nos buracos das muralhas. Nos anos ímpares, em maio, é obrigatória a ida a Mértola para o Festival Islâmico, mas se, preferir, antecipe a sua ida e, no último fim de semana de abril, aprecie a Feira do Mel, Queijo e Pão, a mais antiga do concelho.

     

    Para observar a fauna saia de manhã cedo ou um pouco antes do entardecer. Se tiver, leve binóculos e máquina fotográfica. Recomenda-se que tenha sempre em atenção as previsões meteorológicas e evite realizar atividades em dias em que se preveja muito calor ou trovoadas. Assim, evite os meses de verão, porque são muito quentes, mas se não os puder evitar, faça a visita nas horas mais frescas do dia. Evite ir sozinho(a), mas, se o fizer, informe alguém conhecido ou alguma entidade local da sua partida e do seu regresso. Opte por vestuário e calçado simples e confortável. Caso pretenda fazer grandes caminhadas previna-se com agasalhos, alimentos, água (principalmente no verão), protetor solar e/ou impermeável. Poderá munir-se também de telemóvel, lanterna e isqueiro (não faça fogo nem deite para o chão beatas acesas). Tome precauções especiais quando caminha em zonas húmidas e rochosas, para evitar quedas e não pratique atos que coloquem em risco a sua segurança ou a dos outros. 

    Caso ocorra algum acidente ou imprevisto contacte o serviço de emergência 112. 

  • O Parque possui sinalética informativa e direcional em toda a sua área.

  • Não

  • Sim

    Projeto de educação ambiental “À Descoberta do Parque Natural do Vale do Guadiana”, abrangendo todas as escolas do Jardim-de-infância e do 1º ciclo do concelho de Mértola.

    Grupo de trabalho para a Educação Ambiental e Divulgação do património natural e cultural dos concelhos de Mértola e Serpa englobando representantes das mais diversas entidades.

  • PTCON0036 Guadiana

    PTZPE0047 Vale do Guadiana

  • Sítio Ramsar "ribeira do Vascão" (Zona Húmida de Importância Internacional)

  • <p>
	Castro Verde: os campos que a rodeiam s&atilde;o conhecidos por &quot;campo branco&quot;, devido ao caracter&iacute;stico solo de cor clara. &Eacute; &aacute;rea de produ&ccedil;&atilde;o cerealifera onde abundam aves estep&aacute;rias, tendo sido classificada como <a href="http://www.icnf.pt/portal/naturaclas/rn2000/resource/zpe-cont/zpe-c-verde" target="_blank" title="Zona de Proteção Especial de Castro Verde">Zona de Prote&ccedil;&atilde;o Especial</a>.</p>

    Castro Verde: os campos que a rodeiam são conhecidos por "campo branco", devido ao característico solo de cor clara. É área de produção cerealifera onde abundam aves estepárias, tendo sido classificada como Zona de Proteção Especial.

  • Abrangendo o concelho de Castro Verde e concelhos limitrofes a Zona de Proteção Especial de Castro Verde, é a nível de Portugal a área mais importante para a conservação de avifauna estepária e faz parte da Rede Natura 2000 que é uma rede ecológica para o espaço comunitário da União Europeia.

  • O Sítio da Rede Natura - Guadiana, correspondendo ao baixo vale do Guadiana, faz parte de uma rede ecológica que se estende por toda a União Europeia, com o objetivo de assegurar a preservação da biodiversidade. Percorra a Ribeira do Vascão e visite os seus moinhos de água.

Condições Atmosféricas

Condições Atmosféricas em Parque Natural do Vale do Guadiana :

O que pode fazer

1. Faça um passeio de barco pelo Guadiana até ao Pomarão, em cujo porto era embarcado para Inglaterra o minério das minas de S. Domingos.

2. Em Mértola, depois de beber um refresco, observe os francelhos (ou peneireiros-das-torres) a saírem dos ninhos nos buracos das muralhas.

3. Se o ano for ímpar, seja "mouro" por um dia e participe no festival islâmico, em maio.

4. A planície alentejana cobre-se de flores. É tempo de disparar… a máquina fotográfica! Faça um dos percursos pedestres do Parque Natural.

5. Suba à serra da Alcaria para ver o contraste da paisagem entre o Parque Natural e a ZPE (Zona de Proteção para as Aves) de Castro Verde.

1. No rio, as velhas Azenhas e o Moinho dos Canais convidam-no(a) a apreciar a proximidade da água. Mas não tome banho neste local uma vez que a corrente de água é forte junto aos moinhos. Para tomar banho opte pela praia fluvial da Tapada Grande.

2. No último fim de semana de agosto, participe nas festas anuais na Ermida de Nossa Sra. de Aracelis, enquanto aprecia a paisagem.

3. Refugie-se do calor visitando os vários núcleos do Museu de Mértola.

1. Em outubro, vá à Feira da Caça e veja o que o território oferece em termos de recursos cinegéticos.

2. No final do outono, assista às paradas nupciais das grandes águias.

1. No Pulo do Lobo assista ao Guadiana enraivecido a vencer o desnível de 20 m de altura.

2. Em março, é tempo de provar o peixe de rio no Festival a ele dedicado, no Pomarão.

Época aconselhada: Primavera, outono e inverno

Contatos

Parque Natural do Vale do Guadiana (Sede) 

Centro Polivalente de Divulgação da Casa do Lanternim

R. D. Sancho II, nº 15

7750–350 MÉRTOLA

Telefone: (00351) 286 612 016

Email: pnvg@icnf.pt

MAPA

; ;