Apresentação

  • O troço fronteiriço do rio Douro corresponde ao vale profundo, encaixado e de margens escarpadas que separa Portugal de Espanha. No PNDI, com cerca de 87.000 ha, que abrange extensa superfície adjacente ao rio, a vegetação é dominada pela Azinheira (localmente conhecida por Carrasco) destacando-se a presença de bosques de Zimbro (Juniperus oxycedrus), sobreirais e manchas de Carvalho-negral. É uma área fundamental para a conservação da avifauna rupícola, nomeadamente o Abutre do Egipto e a Águia de Bonelli. A densidade populacional é baixa e a atividade económica é dominada pela agricultura e pecuária. Curiosos pombais pautam uma paisagem severa que adquire expressão dramática nas arribas do Douro. O mirandês, reconhecido como segunda língua oficial de Portugal desde 1999, é mais uma das surpresas que o extremo nordeste de Portugal nos reserva. O Parque Natural Arribes del Duero, na margem espanhola, com uma superfície de aproximadamente 106.105 ha, complementa a proteção desta zona fronteiriça em termos de conservação da natureza.

  • Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. (ICNF, I.P.)

  • Rios e pauis

  • Norte

  • Figueira de Castelo Rodrigo

    Freixo de Espada à Cinta

    Miranda do Douro

    Mogadouro

  • Vindo de Vila Real para Miranda do Douro, seguindo A4 em direção a Bragança, saindo para o IC5 em direção a Carrazeda de Ansiães, e por fim pela N 221 até Miranda do Douro;De Mogadouro, sair pela N221 até Santiago, seguindo até Vila de Ala, pela EM 595;Sair de Torre de Moncorvo para Freixo de Espada à Cinta, pela N220 até ao cruzamento com a N221, seguindo para em direção a Freixo de Espada à Cinta;Desde Pinhel para Figueira de Castelo Rodrigo pela N221, continuando pela N221 entra no PNDI.

  • Sim

  • Faça passeios fluviais nas albufeiras do Douro Internacional, observe abutres, visite as barragens, aprecie a famosa posta mirandesa, enquanto pensa na importância dos pombais tradicionais na preservação de espécies selvagens de aves de rapina e como elementos tradicionais da arquitetura local. Para observar a fauna saia de manhã cedo ou um pouco antes do entardecer. Se tiver, leve binóculos e máquina fotográfica. Tenha sempre em atenção as previsões meteorológicas e evite realizar atividades em dias em que se preveja muito calor, ou a ocorrência de chuva, trovoadas e nevoeiros. Evite ir sozinho(a), mas, se o fizer, informe alguém conhecido ou alguma entidade local da sua partida e do seu regresso. Opte por vestuário e calçado simples e confortável. Caso pretenda fazer longas caminhadas previna-se com agasalhos, alimentos, água, protetor solar e/ou impermeável. Poderá munir-se também de telemóvel e lanterna (não faça fogo nem deite para o chão beatas acesas).Tome precauções especiais quando caminha em zonas húmidas e rochosas, para evitar quedas e não pratique atos que coloquem em risco a sua segurança ou a dos outros. Tenha em atenção que em alguns locais existem antigas minas abandonadas, pelo que não deve sair dos trilhos e caminhos existentes. Caso ocorra algum acidente ou imprevisto contacte o serviço de emergência 112. Antes de iniciar a sua viagem, peça informações ao Parque Natural do Douro Internacional ou consulte o plano de ordenamento desta área protegida, que prevê condicionantes e regras para a visitação.

  • O Parque possui sinalética informativa e direcional em toda a sua área.

  • Não

  • Sim

    Contacte os serviços do Parque Natural do Douro Internacional.

  • PTCON0022 Douro Internacional

    PTZPE0038 Douro Internacional e Vale do Águeda  

Condições Atmosféricas

Condições Atmosféricas em Parque Natural do Douro Internacional :

O que pode fazer

1. Fotografe as giestas, os rosmaninhos, as urzes e as estevas em flor, entre outras espécies da flora que, nesta altura do ano, revestem os campos de variadas cores.

2. Percorra caminhando as arribas do Douro e do Águeda e observe o voo tranquilo das aves que nidificam nas escarpas.

1. Durma nos alojamentos espalhados pelo território e sinta-se em casa. Aproveite o silêncio da noite e a tranquilidade dos lugares. Identifique as estrelas no céu.

2. Aventure-se na descoberta dos miradouros e observe as manchas de lódãos e azinheiras.

3. Calcorreie a pé o centro histórico da cidade de Miranda do Douro e visite o Menino Jesus da Cartolinha.

1. Deguste a famosa posta mirandesa. Aproveite e coma também alheiras, cogumelos, a bola doce, entre muitas das iguarias que nos dá este território.

2. Montado num burro e ao som da gaita-de-foles percorra lugares das terras de Miranda e aprenda umas palavras em mirandês.

3. Aventure-se na busca de cogumelos (não os colha) e aprecie o encanto das cores dos carvalhos, dos castanheiros e das vinhas.

4. Descubra belos recantos da aldeia de Castelo Rodrigo, integrada na Rota das Aldeias históricas.

1. Venha envolver-se nas manifestações etnográfico-culturais, de origem pagã, que ainda hoje se cultivam em diversas aldeias.

2. As encostas e as arribas enchem-se de belas cascatas. Escute os sons das quedas de água.

3. É hora de apreciar as amendoeiras em flor que dão nova cor à paisagem.

Época aconselhada: Primavera e outono

Contatos

(Sede) PNDI

Rua Dr. Francisco António Vicente, nº 4

5200-271 Mogadouro

Telefone: (00351) 279 341 596

E-mail: pndi@icnf.pt

MAPA

 

(Delegação) PNDI / Figueira de Castelo Rodrigo 

Edifício do Centro Municipal de Proteção Civil

Rua Pedro Jaques de Magalhães

6440-111 FIGUEIRA DE CASTELO RODRIGO

Telefone: (00351) 271 313 382

 

(Delegação) PNDI / Miranda do Douro 

Largo do Castelo - Cabanais do Castelo

5210-188 MIRANDA DO DOURO

Telefone: (00351) 273 431 457

; ;