• Miradouro da fraga do Puio

  • Norte

  • Miranda do Douro

  • Parque Natural do Douro Internacional

  • Sim

  • Acesso a Picote partir de:

    - Miranda do Douro (± 18 km) – N221 seguindo as indicações para Picote.

     

    Em Picote, siga as indicações fraga do Puio (estrada em terra batida). GPS: 41.397435,-6.367453

  • Este é um dos melhores locais para se observar o canhão fluvial na parte do Douro internacional, talhado no planalto mirandês, em granitos (as arribas têm mais de 200 m de altura). O trajeto do Douro é determinado pela fracturação (repare nos meandros encaixados), existindo mesmo aqui uma falha, que se denota pela curva apertada do rio, e que se estende para norte, por onde corre o afluente do Douro. Mesmo no miradouro, observe os granitos de duas micas (de grão fino e porfiróide de grão médio) e as fendas com pegmatitos.

     

    Outros bons locais para ver o canhão fluvial do Douro são a Sé (concatedral) de Miranda do Douro e o miradouro de S. João das Arribas.

     

    Numa superfície de apenas cerca de 1m2, a fraga do Puio possui um interessante conjunto de figuras esquemáticas realizadas por picotagem larga, onde se destaca a figura de um arqueiro, conhecida como o Arqueiro do Puio, feita a traço mais fino e que deve ter sido realizada por abrasão com um instrumento pontiagudo. Supõe-se que terá sido gravado na pedra num período em que a caça ou a luta com arco seriam atividades simultaneamente fundamentais à subsistência e social e simbolicamente enobrecedoras. A importância do uso do arco na caça (e na luta?) vem desde os tempos do Paleolítico superior (cerca de 12.000 a.C.), mantendo-se essa relevância no norte de Portugal até final do Calcolítico (cerca de 2.000 a.C.). Porém, ela só se traduz na iconografia de arcos, arqueiros e de figuras solares num período mais recente, entre 5.000 e 2.000 a.C. (Neolítico e Calcolítico) e que é a cronologia mais aceitável para o Arqueiro do Puio. Achados de materiais e estelas antropomórficas indicam que o esporão rochoso, que inclui a fraga do Puio, foi ocupado pelo menos durante 4.000 a.C., sendo esta a hipótese cronológica que parece mais correta.

     

    Granito porfiróide – também conhecido como granito dente-de-cavalo, por apresentar grandes cristais de feldspato, que lembram os grandes dentes da frente dos cavalos.

    Fraga – penhasco.

    Pegmatito – rocha magmática intrusiva, em que os cristais assumem grandes dimensões.

    Rocha intrusiva – rocha que resulta da consolidação de magma que, no interior da crosta terrestre, invade rochas pré-existentes, apresentando geralmente um longo tempo de cristalização e de diferenciação dos seus constituintes, pelo que os cristais são bem visíveis. Exemplo de rochas intrusivas são o granito e os pegmatitos.

  • Nacional